Social Icons

13 de maio de 2014

Sejamos realistas

Parto do Princípio: 8 anos de estrada
Em 2006, quando um grupo de mulheres se uniu em seus variados talentos para formar a rede Parto do Princípio, não era possível imaginar o cenário atual do movimento que se configura como de “humanização do nascimento”. Na contramão da sociedade, essas mulheres decidiram expor sua insatisfação com a assistência ao parto então ofertada nos serviços de saúde e lutar pela mudança de paradigma, de modo que enfim se devolvesse à mulher seu lugar de protagonista no parto.

É verdade que as taxas de cesariana pouco se alteraram desde então – ou até mesmo aumentaram – e acontecimentos recentes insinuam a possibilidade de retrocesso, numa onda conservadora que visa sobretudo tolher a autonomia da mulher nesse momento tão singular que é o do nascimento de seu filho.

Apesar disso, ou talvez justamente por essa causa, as pessoas que conformam a Parto do Princípio, entre as quais tenho o orgulho de me incluir, continuam em sua militância apaixonada. Muitas não têm filhos, muitas são mães que, como eu, descobriram um universo paralelo por meio da experiência. São pessoas de diversas regiões do país, com diferentes contextos familiares e profissionais, e que têm em comum a luta pelos direitos sexuais e reprodutivos da mulher.

Com muito amor e criatividade, as mulheres da Parto do Princípio elaboram ações que, embora de baixo custo, mostram-se muito complexas em termos de concepção e execução. Isso porque demandam atos de apoio e de luta que envolvem principalmente relações humanas, tanto individuais quanto coletivas. Trata-se de um fazer diário, árduo, em especial porque o retorno nem sempre é imediato ou evidente. Talvez por isso, também, a rede seja subestimada, muitas vezes por suas próprias integrantes.

A Parto do Princípio mostra-se única no país, por sua conformação horizontal e democrática e por sua gestão eminentemente virtual. Por suas ações efetivas, criativas e de baixo custo, pelo trabalho qualificado de centenas de mulheres, pela presença cada vez maior e mais eficaz nas instâncias políticas de nossa sociedade, essa rede obteve uma grande vitória neste mês materno: conquistou um lugar no Conselho Nacional dos Direitos da Mulher.


Os 26 votos dos 37 possíveis confiados à rede confirmam que a Parto do Princípio detém legitimidade e reconhecimento ímpares quando se trata da luta pelos direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Confirmam, ainda, que estamos diante de uma nova etapa em nossa luta, com a criação de novos cenários de atuação. Se antes apenas desejávamos parir em paz, agora queremos o céu cravejado de diamantes. Sejamos realistas, que se peça o impossível!

- a quatro mãos, com Deborah Delage

Um comentário:

Angela Rios disse...

Conheci a PP entre 2008 e 2009, grávida em busca de um parto "normal". Foi através da rede que me empoderei e encontrei meu caminho na militância por mais respeito às mulheres, bebês e famílias no momento do nascimento. Parabéns, Denise, estamos juntas, parceira!

 

Apoio

Aqui você encontra material sobre evidências e boas práticas relativas à saúde e ao bem-estar da dupla mãe-bebê. Fique à vontade e entre em contato, adoramos uma boa conversa! Envie um e-mail para grupomaternamente@gmail.com ou entre no grupo do Facebook.

Território

Atuamos principalmente em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra (o ABC paulista), mas também na capital paulista e em outros municípios do Estado de São Paulo.

Articulação

Procuramos nos articular com outros movimentos sociais e com as instâncias gestoras, com o fim primordial de defender os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e de instaurar um novo paradigma de assistência à saúde da mulher.