Social Icons

27 de novembro de 2016

2016, o ano sem fim

Por todas as batalhas políticas e os retrocessos no campo dos direitos, em especial para mulheres, negras, lésbicas e trans, este ano ficará marcado na história de nosso país. Para quem busca uma assistência ao pré-natal, parto e puerpério que seja digna, respeitosa e baseada em evidência, para quem está grávida e quer parir, o cenário não poderia ser mais desapontador...

Mas se reconhecemos, atônitas, as muitas batalhas perdidas ao longo do ano, temos também a convicção de que continuaremos lutando pela manutenção de direitos, pela atenção digna, humanizada, de qualidade e acessível a todas as mulheres. Essa certeza nos mantém de pé, unidas, com a mesma ética de sempre, centrada na mulher. De vez em quando preciso, sim, repetir isso tudo para mim mesma. O cotidiano duro impõe responsabilidades e tarefas que não podem esperar. Trabalho, estudo, casa, namorado, filho, não necessariamente nessa ordem. Eu diria, até, em total desordem...

...ainda assim, é maravilhoso quando, dentro dessa bagunça, consigo me arrancar de casa para participar do encontro mensal do grupo. Essa conexão com as mulheres, suas angústias, dúvidas e incertezas, isso funciona como um diapasão: abro meus ouvidos, afino minha escuta, de modo que minha atuação como ativista, militante, pesquisadora, mulher seja consoante às necessidades femininas.

Com essa energia boa, finalizamos o ano e desejamos um 2017 melhor

19 de julho de 2016

Cesariana: direito de quem?

Resolução do CFM e projeto de lei desviam atenção para o tempo de gestação e ignoram evidências científicas e direitos da mulher


Faz quase um mês, saiu no Diário Oficial uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) segundo a qual “é ético o médico atender à vontade da gestante de realizar parto cesariano”. Por propor que a cirurgia seja realizada apenas após a 39ª semana de gestação, de início a resolução foi festejada por algumas mulheres, que enxergaram na norma uma forma de proteção ao feto e aos direitos da mulher. A leitura descompromissada e desatenta da resolução pode levar a tal interpretação, contudo, algumas respirações a mais permitem oxigenar a discussão.


Quem determina com que idade gestacional o bebê está pronto para nascer, senão o próprio bebê?


O que diz o CFM
De maneira geral, a resolução do CFM diz que a mulher tem o direito de optar pela cesariana, que a decisão deve ser registrada em um termo de consentimento, que a cesariana só deve ser realizada a partir da 39ª semana de gestação e que se o médico não concordar com a cesariana deverá encaminhar a mulher para que outro profissional a atenda. Tomados isoladamente, os quatro artigos que compõem a resolução do CFM podem parecer benéficos, por estabelecerem a idade gestacional mínima para que se realize a cesariana e ao mesmo tempo garantirem o direito de escolha da mulher.

9 de junho de 2016

Fórum Perinatal do ABC Paulista - diversidade de atores e de desafios

Esta terça-feira foi muito especial. Para quem, como nós, dedica tempo e recursos à luta pela promoção dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres da região, foi um deleite ver a concretização do evento. Cabe aqui uma ressalva: consideramos o encontro de ontem um evento dentro do Fórum que, de acordo com as normas da Rede Cegonha que determinam sua existência, tem caráter permanente e é uma instância de pactuação da assistência. E o Fórum Perinatal do ABC Paulista vem se reunindo desde o início de 2016 com a presença de pelo menos uma representante do MaternaMente a cada reunião.
Muito trabalho pela frente: desde o começo do ano o Grupo MaternaMente participa das reuniões do Fórum Perinatal do ABC


Então, como dizia, foi um prazer. Na plenária, estiveram presentes profissionais da assistência dos vários municípios, o secretário de saúde do único município da região onde não ocorrem partos, gestoras e gestores de serviços de saúde, doulas e usuárias.

Após a abertura oficial pelas autoridades estaduais e regionais, ocorreu um painel de alinhamento teórico, com destaque para o histórico das ações da Rede Cegonha na região e para a explanação sobre a racionalidade do Fórum Perinatal, bem conmo suas origens.

A cargo do MaternaMente estava a mediação da primeira mesa de relatos. A ideia inicial era de que a discussão contemplasse aspectos considerados como conquistas pelas gestões. Assim, o painel foi constituido por apresentações que versaram sobre: a presença de doulas prestando apoio contínuo à mulher em trabalho de parto, o funcionamento dos novos Centros de Parto Normal, das Casas da Gestante e da Rede de Apoio Social. Mas, antes mesmo que iniciassem as apresentações, pedimos licença para a leitura da nossa carta, após a qual foi sugerido que circulasse pela plenária para colher mais assinaturas. Ao final do painel, teve lugar o primeiro debate do dia. As perguntas vieram ao vivo e por escrito. Militantes do MaternaMente  ressaltaram a importância da reformas de ambiência que vêm ocorrendo, mas também apontaram nós criticos da assistência relacionados a más práticas, com ênfase em utilização rotineira de procedimentos como episiotomia, posição litotômica no parto, sutura de lacerações e episiotomias sem bloquio anestésico, condução de puxos e jejum durante a noite.

Após ao intervalo do almoço, o segundo painel do dia tratou de questões consideradas como desafios para o Fórum. Gestores locais apresentaram o panorama de distribuição dos nascimentos em cada município e por tipo de gestão (municipal ou estadual), a epidemiologia da sífilis neonatal e da prematuridade na região. Destacamos as colocações em torno da necessidade de Ribeirão Pires, São Bernardo e Diadema enfrentarem o desafio de atenderem em seus leitos sob gestão municipal a demanda de parto das mulheres residentes, bem como a necessidade de se definir o papel da maternidade do Hospital Estadual de Diadema, cujos leitos foram planejados para atender alto risco, mas respondem por mais da metade dos partos de mulheres residentes em Diadema, além de 18% dos partos de residentes de São Bernardo.

Durante o debate relacionado a esse painel, ouvimos quase incrédulas a melhor das notícias do dia: está sendo negociada, entre Estado e Município, a implantação de uma Casa de Parto em Rio Grande da Serra. O menor dos municípios da região, em termos populacionais, há anos não vê nascer bebês, senão por "acidente". A disponibilização desses leitos certamente é, não só uma chance de mudar a história das novas gerações da cidade, mas também um excelente estímulo à mudança de paradigma na assistência às mulheres da região. Estaremos muito atentas aos encaminhamentos que estão por vir!

Reforçamos aqui o que pudemos dizer à plenária do Fórum: é graças à relevância dos movimentos de mulheres e outros movimentos sociais que apoiam e promovem a luta pelos direitos das mulheres e pela humanização da assistência que o Fórum Perinatal do ABC Paulista está em andamento. Continuaremos lutando pela sua permanência, mesmo, e principalmente, considerando o contexto e a conjuntura adversos por que passam as instituições brasileiras nesse momento crítico de nossa história. Nossa região, celeiro de tantas lutas por direitos sociais, saberá mostrar sua garra.
 

Apoio

Aqui você encontra material sobre evidências e boas práticas relativas à saúde e ao bem-estar da dupla mãe-bebê. Fique à vontade e entre em contato, adoramos uma boa conversa! Envie um e-mail para grupomaternamente@gmail.com ou entre no grupo do Facebook.

Território

Atuamos principalmente em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra (o ABC paulista), mas também na capital paulista e em outros municípios do Estado de São Paulo.

Articulação

Procuramos nos articular com outros movimentos sociais e com as instâncias gestoras, com o fim primordial de defender os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e de instaurar um novo paradigma de assistência à saúde da mulher.